7.6.14

amanhecer

Por vezes acordamos de um leve dormir em que as ondas do sono se entregam à noite breve... mal o sol pousa nas neblinas ao fundo no horizonte, já o corpo tacteia a vertigem da manhã... A rua rompe num desabafo de vento com o sol a testemunhar o cabelo, o sorriso e o corpo num desalinho... E hoje foi mais um dia... amanhã será menos um, dois e mais dias, de tanto os querer parar no tempo. Encosto-me aos murmúrios que estão para lá dos carris, dos pássaros pousados nas árvores e das vozes das pessoas que passam... e revigoro-me nos dias que o tempo me oferece. 

reedição

4 comentários:

  1. Querida Andy, que o tempo te ofereça muitos e muitos dias!
    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida maria eduarda, o tempo e os seus segredos…
      outro abraço grande!

      Eliminar
  2. o tempo e o estremecimento até à raiz do braço - porque há um tempo que não evitamos e um que nos surpreende.

    beijo grande, querida andy!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. que haja tempo para lá daquele que conta o relógio… :-)

      beijinho, querido amigo!

      Eliminar