21.5.14

.


O sono e as palavras soltas sem sentido, apenas um gesto, um contorno, uma sombra... um rasgo de luz, um segundo e de novo a sensação de embriaguez que a noite teima em lembrar como num segredo. A música salva-me uma e outra vez...

4 comentários:

  1. somos, assim mesmo, claves melódicas estendidas nesse sol de têmpora fina sobre a delicadeza da voz a colecionar silêncios... mesmo quando tudo o mais parece ensurdecer...

    admirável a arte poética explicando-se a si mesma...

    beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "claves melódicas estendidas nesse sol de têmpora fina sobre a delicadeza da voz a colecionar silêncios... mesmo quando tudo o mais parece ensurdecer…"
      lindo!
      beijinho, querido amigo!

      Eliminar
  2. Andy:

    a noite, o tempo, a música,
    variantes duma única realidade,
    a vida
    vivida;

    palavras
    de um suculento poema
    que enche a alma!

    Grande beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mto obrigada, querido Petrus!
      pelas palavras presença.

      beijinho grande!

      Eliminar