21.5.14

.


O sono e as palavras soltas sem sentido, apenas um gesto, um contorno, uma sombra... um rasgo de luz, um segundo e de novo a sensação de embriaguez que a noite teima em lembrar como num segredo. A música salva-me uma e outra vez...

18.5.14

suspiro


Perfume de verão, jeans azuis, o tempo de um cigarro que não fumo, o instante, lábios-silêncio, horizonte quebrado, palavras no degrau do vento stop quem as oiça quem as lembre, flor no rosto. Onde vai menina? Vermelho. O caminho? E esta solidão prometida ao mar...

6.5.14

noite

começa a noite a abafar profundamente todas as coisas, é quase possível imaginá-la discreta mas eficaz, chegar como fumo azul negro devagar até aos lugares mais frágeis, arestas, caminhos, silêncios e por fim as estrelas a serenar qualquer dúvida. Acender uma vela diante da escuridão e ser sombra que finge dançar nas paredes ocas, pó de luz, sopro... ser lua redonda, tempestade, maré, brisa amarga e doce. Ser apenas, noite.

4.5.14

Trespasser William - My hands up

entardecer

entardecer vezes sem conta, estender os braços no parapeito da janela. Perder-se no ar denso, quente e quase possível de tocar... A árvore da rua e o silêncio. A palavra azul pelos muros das redondezas. Não pensar. Fechar a janela. Trocar tudo por um filme que passe à hora certa. Um cinzeiro vazio sem importância. A música prolonga-se pelas paredes, regresso depois do intervalo sem filme...

3.5.14

no obscuro desejo

no obscuro desejo,
no incerto silêncio,
nos vagares repetidos,
na súbita canção

que nasce como a sombra
do dia agonizante,
quando empalidece
o exterior das coisas,

e quando não se sabe
se por dentro adormecem
ou vacilam, e quando
se prefere não chegar

a sabê-lo, a não ser,
pressentindo-as, ainda
um momento, na aresta
indizível do lusco-fusco.

Vasco Graça Moura, "Poemas com Pessoas" (1997)