26.3.14

choradinho medíocre


Uma qualquer estrela e um ponto de luz tocaram nas palavras que andam adormecidas. São tantas as saudades de ser este o meu porto de abrigo... era uma sensação desmesurada de alegria e encanto, algo semelhante a um desabafo ou alívio de quando as coisas nos pesam e um brilho simples nos mostra outras cores e outros sons, assim era, quase um mundo de fantasia que perdurava diante dos meus olhos, uma paisagem para dentro do coração... do meu, e do coração de todos aqueles que por aqui passam. Isto não é uma despedida, é apenas um choradinho medíocre, por que as palavras já não sendo minhas aliadas, são pura miragem de um horizonte que brilhou...
ah, tenho pensado sobre tantas coisas, falado comigo de outras tantas, e rezado em tom de texto, narrativas, a maior parte das vezes monólogos que se chamam “angustia”, e na verdade sei que me perco e me perdi, sei ainda que há um fio condutor e tenho a certeza que nada é por acaso, e o meu fado não será tão diferente de outras pautas musicais. Tantas vezes não sei do que falo e provavelmente esta não será muito diferente. Falo da escrita mas também da vida e vezes sem conta ocorre-me pedir perdão a deus e faço-o, por não saber sorrir quando perco o rumo do sol, por não saber falar no vento certo, por olhar o céu à procura de corpos celestes e divindades que só em sonhos me falaram um dia. Ah... grito, grito em silêncio, se me curvo olho o coração, se me levanto olho o céu espelho da minha alma, sempre na esperança de uma dança chamada liberdade sem dúvida nos passos e nos tempos. Sei que amanhã acordo e terei tanta vergonha do que aqui escrevi hoje, mas a noite e a média luz têm destas coisas... Perdoem-me o silêncio nos vossos blogues, continuo a saciar a minha sede em vossas palavras, ainda que de outra forma.

4 comentários:

  1. "Sei que amanhã acordo e terei tanta vergonha do que aqui escrevi hoje, mas a noite e a média luz têm destas coisas..."
    Quantas vezes eu mesma sinto isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Inês, vergonha e pena seria não permitir às emoções colorir os nossos dias às vezes de negro, outras de mil cores. Consolemo-nos assim... :-)

      beijinho grande!

      Eliminar
  2. palavras que nos percorrem nos silêncios das nossas vidas. quem se não faz igual nesse instante da existência em que parece chegarmos um pouco tarde até nós?...

    um beijo com tantas saudades, querida amiga!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada por estares aqui, nestas voltas e voltas da lua...
      um enorme beijinho, querido amigo!

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...