26.8.13

sombras da lua

rua escura, sombras de pó, paredes ocas...
lua alta a morrer de silêncio
gatos de olhos fulgentes com esgares de fome

um fio de água atravessa o meu caminho,
perfume de terra molhada

candeeiros tristes,
tornozelos magros
passos com destino e hora marcada
corpo,
coração,
pele,
dormência...
se me esquecer de mim, também se esquecerão.

4 comentários:

  1. tecido noturno a rondar casas e medos - há deuses que ignoram; saibamos relembrá-lo nós: sempre.

    beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a noite e os gritos de medo num silêncio só...

      beijinho, querido amigo!

      Eliminar
  2. Provavelmente! o melhor é não experimentar, o mundo está cada vez mais egoísta...
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. vale a pena desmontá-lo e voltar a compor (esse mundo, ou pelo menos o nosso pequeno mundo)...

      beijinho, querida Lilá(s)!

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...