19.2.13

letras cinzentas

pequenas folhas caídas na rua cinzenta, tão breve e sossegado momento... olhar timidamente o céu e pensar no tempo, sussurrar-lhe perguntas menos sonantes que o próprio vento... e por fim descobrir rios que nascem ao dobrar de uma esquina da vida, e perder o fio à meada, sentir as mãos perdidas uma na outra e nem o corpo segura, nem a voz se cala, nem deixa de morrer de perguntas.

8 comentários:

  1. É bom perder-me nos teus textos.

    beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada pela tua presença, Hugo.

      um beijinho grande!

      Eliminar
  2. os dias que se erguem sobre a melancolia - há sempre uma natureza viva a espreitar pelo lado de dentro.

    beijinho, amiga de além-tempo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tantas vezes, é o sol, o mar ou o vento que nos devolve a sensação de vida-emoção...

      beijinho, querido amigo!

      Eliminar
  3. olá, Andy, saudades!
    tenho estado afastada da blogosfera, mas foi bom vir ler-te.
    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em@! que bom ler-te por aqui.
      também não ando tão dedicada quanto já fui à blogosfera...a vida não o permite, mas de vez em quando, surge algo por dizer, ou contar.

      Obrigada, Em@
      e um grande beijinho!

      Eliminar
  4. A delicadeza de um olhar a tentar esgueirar-se ao peso duma realidade quase esmagadora...
    Há que preservar esse olhar, Andy!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. às vezes tão difícil...

      beijinho grande, AC! :-)

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...