5.2.13

.

fotografia de Brooke Shaden 

 Quando saíra de manhã estava sol, mas o dia fora escurecendo (primeiro as sombras vermelhas do bosque, a penumbra das escadas, dos túneis cavados na rocha), as nuvens cinzentas amontoavam-se ao longe, por trás do vulto grave da casa, dos arcos de pedra. Devia ser fevereiro, as mimosas e as camélias estavam em flor, as magnólias abertas desprendiam um perfume sufocante, os trevos vermelhos espalhavam-se pelo relvado.

... atravessara o descampado, sentindo as flores e as ervas humedecerem-lhe as pernas, e embrenhara-se no bosque.

Ana Teresa Pereira

4 comentários:


  1. Há fadas que esperam o cair da penumbra, para libertarem, durante a noite, o perfume das coisas vivas que nos faz acordar todas as manhãs.

    Um beijinho grande, amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tão bonito, querida amiga! :-)
      um enorme beijinho!

      Eliminar
  2. tão fevereiro, tão eu este texto...

    beijinho, doce amiga!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. as sombras, perfumes e cores que respiramos, diluindo-se no acordar de todos os dias...
      e este frio fevereiro...

      um beijinho, querido amigo!

      Eliminar