21.1.13

os troncos das árvores

Os troncos das árvores doem-me como se fossem os meus ombros
Doem-me as ondas do mar como gargantas de cristal
Dói-me o luar como um pano branco que se rasga.

Sophia de Mello Breyner Andresen

5 comentários:


  1. Sophia...

    O corpo fundido à terra, à lua e ao mar.

    ResponderEliminar
  2. há escritas que têm luz própria, de cor branca, de contorno definido, dessas que nos levam consigo. assim é sophia e todos os mares que ela en-canta!

    beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar
  3. tão inspiradora, sophia...um verdadeiro embalo a sua escrita!

    beijinhos grandes, Maria João e Eurico.

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. e a forma como sente a natureza...
      inesquecível
      beijo!

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...