12.1.13

meteorologia

para dizer que parece nascer com o dia cores promessa de sol, ainda uma tímida estrela ao fundo no céu, rasgando o olhar até ao parapeito da janela. Respiro o frio da rua e rezo pelas árvores nuas. Entretanto há quem varra a rua e gostava de imaginar um jardineiro, libertando flores das ervas daninhas, recuando pedras e regando raízes. E a rua teria outro perfume. Mais do que vento é apenas brisa que levo para o interior da casa, com desejo de dar descanso ao corpo. Rodear-me de almofadas e cobertores de lã coloridos, chávenas de chá e lareira acesa. Apenas desejo preso a uma nuvem de impossibilidades.

4 comentários:

  1. o sol e o desejo nessa manta guardada a que damos o nome de [im]possibilidade...

    beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. as palavras e desejos que (des)construímos, ao sabor de um chá e de uma manta colorida...

      beijinho, amigo!

      Eliminar

  2. Não, não há impossíveis!
    A impossibilidade apenas reside fora de ti...

    Um abraço quentinho, como uma manta colorida de possibilidades. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e não fossem as linhas da vida possíveis de tricotar com os dedos do coração...

      outro abraço e beijinho!
      obrigada, querida amiga :-)

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...