17.12.12

janela de encontro

a noite já caiu, antecipo-a antes de olhar pela janela.
Entre estas quatro paredes, a mesma luz branca e fria. Não há como estes momentos de silêncio para sentir o cabelo soltar-se, arredondar o sorriso dos olhos e ir de encontro a um jardim sem encontro marcado, colher flores do campo e largá-las junto ao peito. Abandonar o corpo e sentir todos os sons das folhas e do chão.
E troco estas imagens pelas paredes brancas, quase sinto o perfume e a hora marcada...

4 comentários:

  1. Respostas
    1. e não fossem as paisagens que nos movem, o autentico perfume que nos guia...

      beijinho, querida Lilá(s)!

      Eliminar
  2. ir ao encontro de sem se ter encontro marcado. esta, talvez a melhor forma de apagar os precipícios nas noites que adormecem nas nossas insónias.

    beijo, querida andy!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sem dúvida! ir ao encontro quem sabe, de também nos encontrarmos...

      beijinho, querido amigo!

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...