6.10.12

anoitece... a melancolia abraça as paredes da casa até à rua.
Lá fora o ar está impregnado de vozes, as vozes de todos, a insegurança e revolta a passos largos para o indefinido... 
A lua trepou o céu de silêncio e agora nem as folhagens se ouvem, apenas a noite no seu denso escurecer. Espero o sono a invadir as pálpebras sempre alerta. 
Espero pétalas em sonhos profundos.

2 comentários: