3.9.12

rosas de papel

hoje fui de novo ao jardim pela manhã, o corpo apertado pela roupa, a suster a respiração de uma manhã de calor que derretia as folhas verdes  e dava-me de presente o doce perfume que enche o peito e que levamos na mão escondido para todo o dia. e são estes nadas que dão badaladas melancolicamente chamando por memórias. e pela mesma razão fotografei todos os bancos de jardim que ardem de calor numa nuvem de tempo perdido. e talvez pela mesma razão as flores empalideceram no chão de dias serenos. mas não me tirem o chão, sei que posso fazer rosas de papel e estrelas de verdade.

bafejo da lua

4 comentários:


  1. Tantas estrelas.... para levar no bolso, a perfumar os dias que noutro tempo serão memória.

    Não, que nunca te falte o chão.

    Um beijo ;-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga querida, obrigada por todas as tuas palavras, também as levo no bolso com o maior carinho.

      Beijo grande!

      Eliminar
  2. E tem-las feito aqui quase todos os dias!
    Um grande beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mfc, :) sincero obrigada pelas tuas palavras!
      um enorme beijinho.

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...