20.9.12

de tarde, bem rente à hora em que o sol torna sempre mais verde a árvore que espreita a janela. Tão verde de um verde inocente e perfumado. Nessa hora em que o tempo parece ficar quieto e os ponteiros do relógio parecem murmúrios de vozes apagadas, aconchego-me na música, e escondo-me por trás de uma caneta. Mas há letras que não se moldam pois as palavras nem sempre cabem na tempestade de um som... o som do pensamento.

2 comentários:

  1. às vezes gostava de não pensar, embaraço-me sempre em palavras, fico feito novelo, emaranhado

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tal e qual como descreves, Laura!

      um grande beijinho

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...