27.7.12

lagoa

os fins de tarde deviam ter sempre as cores quentes que vi entardecer numa lagoa. O infinito roubava o olhar, como tantas vezes, mas esse mar rendia-se ao sol numa verdade absoluta que depois desaguava na lagoa, quase espelho de um céu azul raiado de sol. 

8 comentários:

  1. nunca sei se uma lagoa é a continuação do céu, ou o céu é que é a continuação desta...

    nunca sei se vou cair no ar ou na água...

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não há limites nem fronteiras quando sentimos...

      beijinho grande, Laura!

      Eliminar
  2. Uma lagoa é um quase espelho de céu e de terra, e é, tantas vezes, uma quase continuação do que nos nasce nos olhos.

    Um beijo, Andy

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. um espelho que nos leva para lá do que vemos...

      beijo grande, Maria João!

      Eliminar
  3. Depois deste fim de semana espero ver umas 7, onde o paraíso parece um lugar passível de existir! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. são lugares únicos, paraísos que se tornam nossos, pela forma como os sentimos...

      beijinho grande, Flor!
      p.s. reparei que estás de regresso :-) passarei por lá!

      Eliminar
  4. há espelhos de água que começam no fundo ocular.

    belo como sempre, minha doce amiga!

    beijinho com saudades!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sendo essa a mais límpida das águas, a que se lê no fundo do ser...
      obrigada, querido amigo :-)!

      um beijinho!

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...