10.4.12

dias que corro

fotografia de Andy

Há dias que corro para sentir o sol, outros nem as janelas moram à minha porta. Tenho dias de cantar e respirar alto, sem que possa dizer que não conheço dias cinzentos. Tenho vivido assim, nessa ventania de folhas de outono, quando em remoinhos me foge a roupa do corpo, e o corpo da pele. Ridículo...quando na verdade, encontro-me a cada flor que me espera, e parece tão simples... se fosse! Que quero dizer? talvez que também as flores se dobram e perdem o fulgor...

4 comentários:

  1. Se não as cortarmos... esse fulgor dura mais!
    Assim também somos nós!
    (Mas nada é eterno...!)
    Beijos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nada, nada mesmo será eterno...
      beijinho, mfc :-)

      Eliminar
  2. tantas são as flores, as pétalas e as raízes que deixamos crescer e morrer em cada momento e movimento nosso... são assim os jardins que suspendemos nos nossos dias: ora lambem, ora arranham o peito.

    beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tão verdade e tão belo!
      os jardins da nossa vida,
      ora floridos ora sombrios...

      beijinho, amigo!

      Eliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...