9.11.11

lápis de sol


que um lápis da cor de todos os momentos
se enrole entre os dedos
e das palavras à terra
seja um simples sopro de lábios
e mãos apagadas
num fogo lento que arde e se apaga
rente às águas que correm dos céus
e no papel molhado
todas as horas sejam um conto
no sol dos meus dias...

8 comentários:

  1. Como dente-de-leão entre os plátanos, os sonhos repousam entre nossos melhores espaços.
    Teus lápis em todos teus momentos, à tua disposição na completude do teu desenho diário - meu desejo pra ti, Andy!
    Deixo-te um abração

    ResponderEliminar
  2. um dente-de-leão num chão de outono... e quantas vezes num sopro voa por céus de primaveras.

    tomara que não me faltasse esse lápis! :-)
    Obrigada, querida Rejane, pelo carinho das tuas palavras.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Que o lápis com que desenhas os teus sonhos possa estar sempre entre os teus dedos!

    ResponderEliminar
  4. lápis de sol com o matiz das folhas de outono. assim é a vida: traço e rasura, palavra e borracha, luz e crepúsculo. no viés de todas as dicotomias, um traço uno une: o da (tua) poesia!
    beijinho, querida andy!

    ResponderEliminar
  5. Andy,

    Este Outono
    desenhado pelo sol
    retrata momentos intensos de vida!

    Será sempre belo
    o conto escrito
    sobre mil folhas caídas
    inundadas de cor e luz!

    Um bom fim de semana
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. mfc,
    que bonita frase! :-)
    tomara que sim...

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  7. Jorge,
    e é como dizes, essa dualidade de ser e estar...
    belas as tuas palavras.
    Beijos, amigo!

    ResponderEliminar
  8. Petrus,
    obrigada pelas palavras que desenhas nesta lua,
    essas sempre cheias de luz :-)

    Beijinho!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...