23.11.11

o sossego estendeu-se pela tarde do jardim e o lago espelhou a cor rarefeita do céu e do verde que o contornava. Uma mulher tocava viola, curvada sobre o peito, e aconchegando a viola entre os braços e com a cabeça em posição de segredo, foi até ao murmurar de uma música sem destino. A música consegue sempre apanhar-nos indefesos de qualquer protecção, ela chega e o efeito acontece, de chama a incêndio, de orvalho a tempestade. E não me importo, só assim tudo faz sentido. E tudo tem melodia, até o silêncio que no lago mora, embala os céus que nele se deitam. Assim foi a tarde. O sol e o corpo, foram um só, de tanto o querer. E o quente ficou-me no sorriso e o verde nos ombros que se deitam mais leves...

4 comentários:

  1. Andy,

    Dia inesquecível... Obra da Música que tudo uniu!

    Bom fim de semana
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Petrus,
    a Música sem dúvida, e o sol! porque o sol de outono tem um dourado diferente.

    Um grande beijinho
    e bom fim de semana :-)!

    ResponderEliminar
  3. A tua prosa poética é de uma beleza contagiante.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  4. mfc,
    muito obrigada,eu!
    sempre bom ver-te por cá.
    beijinho

    ResponderEliminar