18.10.11


"E aqui anda a noite à roda e eu com ela como um papelinho com que o vento brinca, apanha-me, larga-me, empurra-me, corre, mais adiante, a prender-me nos dentes, esquece-se de mim, torna a lembrar-se, poisa-me uma pata em cima, vai-se embora. O vento."...


António Lobo Antunes

10 comentários:

  1. Depois de ver a entrevista na Rtp1, a semana passada sobre o Antonio Lobo Antunes fiquei com vontade de comprar alguma obra dele.

    Nunca li nada dele :(

    Depois diz se gostaste do livro :)

    ResponderEliminar
  2. Lilá(s),
    é o primeiro livro que leio deste autor mas também estou a gostar muito! :-)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  3. Miguel,
    e eu tive tanta pena de não conseguir ver a entrevista :-((

    direi com certeza! :-) mas adianto desde já que me cativou pela simplicidade e profundidade, e nesta dualidade, é uma leitura muito agradável!

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  4. Também eu nesta crise podia culpar o vento... mas mantenho a mira apontada ao Governo!

    ResponderEliminar
  5. E nós com ele, nesta inquietante valsa....

    Beijinho grande

    ResponderEliminar
  6. mfc,
    percebo-te claramente e de facto até se poderia aplicar à situação...

    beijinho!

    ResponderEliminar
  7. Maria João,
    que haja bons ventos e nos embalem nesta caminhada.

    Beijos, amiga!

    ResponderEliminar
  8. eis uma das minhas falhas maiores. ainda não entrei em lobo antunes. mas já senti, por ti, um pouco da sua brisa e aroma a terra fresca.
    beijinho, doce amiga!
    p.s. sexta-feira à noite vou ao lançamento do "abraço", do j. l. peixoto, ao porto. estou em pulgas por lhe deitar a mão :)

    ResponderEliminar
  9. Jorge,
    encontrei-me na simplicidade das palavras/vivências...
    beijinho enorme, amigo!
    p.s. que bom! que inveja! :-)

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...