25.9.11

.


ROBERT AND SHANA PARKEHARRISON
Elegy, 2007

.


nem sempre quero, ser as palavras que digo...

14 comentários:

  1. Andy
    E eu nem sempre queria ter razões para dizer as palavras que digo... mas digo sempre, sem sequer ficar com remorsos.

    ResponderEliminar
  2. Miguel,
    e fazes muito bem! :-)
    isto das palavras fez-me lembrar...

    "São como um cristal,
    as palavras.
    Algumas, um punhal,
    um incêndio.
    Outras,
    orvalho apenas.

    Secretas vêm, cheias de memória.
    Inseguras navegam;
    barcos ou beijos,
    as águas estremecem.

    Desamparadas, inocentes,
    leves.
    Tecidas são de luz
    e são a noite.
    E mesmo pálidas
    verdes paraísos lembram ainda.

    Quem as escuta? Quem
    as recolhe, assim,
    cruéis, desfeitas,
    nas suas conchas puras?

    Eugénio de Andrade

    ResponderEliminar
  3. Estar aqui no seu blog hoje
    é mais uma benção divina.
    Que a nova semana seja de paz na sua vida.
    Que o amor fassa parte não só dos seus sonhos ,
    mais sim uma realização .
    Ter você como amiga é muito mais
    do que mereço.
    È por isso que estou trazendo essa mensagem
    pois não quero que você me esquesa.
    Um beijo no coração pra sempre sua amiga,Evanir.

    ResponderEliminar
  4. Andy

    Como não dizer as palavras que nos dizem, quando são as únicas que sabemos? Só o silêncio que ouvimos, de dentro, pode mudar as palavras que não queremos.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Como te entendo...
    mas gostaria que correspondessem!

    ResponderEliminar
  6. Evanir,
    um imenso obrigada pelas suas palavras amigas.
    volte sempre, será um prazer!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  7. Miguel,
    aí está um enigma, será que alguém as escuta verdadeiramente?
    acredito que sim!
    ...os que querem escutar!
    bem, quando são crueis, talvez fosse melhor não escutarem...não sei, digo eu!

    beijinho grande :-)!

    ResponderEliminar
  8. Maria João,
    concordo amiga.
    ...é exactamente esse silêncio interior que nos dá as perguntas e menos vezes respostas para aquilo que nos assalta a alma.

    Beijo grande!

    ResponderEliminar
  9. mfc,
    tentamos todos os dias, uns dias mais que outros conseguimos...

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  10. Ah, as palavras, apenas um assomo do que (não)somos ou gostaríamos de desvendar...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  11. AC,
    verdade!
    e as palavras...nunca são promessas!

    Beijinho! :-)

    ResponderEliminar
  12. quantas vezes são os silêncios o que melhor nos define...
    beijinho, amiga!

    ResponderEliminar
  13. Jorge,
    tanto que o silêncio pode conter...

    beijinho grande, amigo!

    ResponderEliminar