30.8.11

A tarde fez-se de um cinzento frio e a chuva desabou suave no anoitecer. Um tapete veludo feito de água percorria a estrada e o cheiro de outono perseguia cada curva. Lembrei-me do trajecto de comboio e do quanto guardava saudades de sentir o pensamento fluir livre, simples, de roda do dia e quase na noite. E do pensamento à palavra, como flores amanhecendo esventrando silêncios. Viajava como se viaja de alma à janela e caneta presa à mão que fala junto ao peito. E mesmo que não escrevesse, os lábios cantavam o sorriso de uma música em segredo. À semelhança disso, hoje canto ao volante de voz discreta e larga de saudades. Canto ao dia e às pessoas que hoje me ficaram na memória. Às conversas de linhos, dobrados, roubados que na gaveta por milagre restaram, dizia-me. Aos amores e desamores que lhe afloraram um sorriso e um olhar perdido de voz incerta. E no limbo das vozes chamo a chuva e chamo a noite...

10 comentários:

  1. Andy

    E a voz, as vozes... certas e incertas te envolvem como branco linho que viaja no tempo, só para te dizer que o que escreves, é seara a florir do teu pensamento e que colocas no teu coração, para que ganhe todo este brilho.
    E eu gosto tanto!

    Um beijinho, minha amiga.
    Saudades....

    ResponderEliminar
  2. Maria João,
    e eu gosto tanto de te sentir por aqui, querida amiga!

    Beijo com saudades

    ResponderEliminar
  3. Gostei deste discorrer melancólico ao sentir de um tempo atmosférico... fora de tempo!

    ResponderEliminar
  4. mfc,
    tens razão, muito fora de tempo! Mas a verdade é que inexplicavelmente já tinha algumas saudades deste tempo.

    muito obrigada, mfc!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. olhares de outono dobrados sobre as notas com que o tempo reescreve a memória.
    a tua prosa é de uma ternura profunda, de uma ternura que rasga a pele e se aloja na serena melancolia que algures respira nos corpos... em todos os corpos.
    beijinho, doce amiga!

    ResponderEliminar
  6. Efeito dos dias estranho de Verão! veio mais cedo o Outono...
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Jorge,
    obrigada pelo Tanto que me fica das tuas palavras.
    Abraço, amigo!

    ResponderEliminar
  8. Lilá(s),
    um verão com cores de outono :-)
    Beijinho grande!

    ResponderEliminar
  9. "E do pensamento à palavra, como flores amanhecendo esventrando silêncios..."

    Teu texto anoitece em mim, como carvão, risca o coração essa melancolia à flor da pele...
    Lindíssmo querida Andy!

    Deixo um beijo, e sorrisos...

    ResponderEliminar
  10. querida Márcia,
    muito obrigada, sempre tão bom ter-te aqui :-)!

    um beijinho, doce, como são também as tuas palavras!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...