1.8.11

do mar

Já se descia a rua e o mar lá em baixo parecia um lago de tão sereno. Continuava-se a descer e parecia tão imensamente doce a acariciar o areal. O sol estava alto e aquecia os ombros com saudades de serem molhados. As escadas de acesso à praia eram em madeira e faziam lembrar as de uma outra praia num verão longínquo. Eram tantas as pessoas que pareciam desfrutar do momento, um arco-íris de toalhas e chapéus de sol preenchiam o areal. A areia não era fina e macia, mais parecia um tapete de pedrinhas massajantes sob os pés em direcção ao mar e quanto mais se descia junto à água, mais as pedras brancas e escuras se sentiam maiores. Confirmei a serenidade do mar e fiquei de olhos postos em cada pequena onda que desaguava junto aos pés. Depois mais junto ao corpo tomei um abraço salgado de toda aquela água que não poderia estar mais a meu gosto. Molhei o cabelo como em criança com aquele secreto desejo que o sabor das algas me alisassem o ondulado. Nadei contra o sol com a certeza que nos meus ombros se pousara e comigo testemunhava este mar que tantas tardes irei recordar.

16 comentários:

  1. pequenos prazeres, querida amiga, bem junto do sol e do mar! assim vejo como deve ter sido retemperadora a pausa de férias.
    beijinho e bom regresso!

    ResponderEliminar
  2. Andy
    Neste agosto frio, com nevoeiro e chuva, a tua recordação é uma miragem, que nos faz adivinhar como era dantes...

    ResponderEliminar
  3. Jorge,
    não tão retemperadora quanto precisava...mas são estes pequenos momentos que fazem toda a diferença, sol e mar, mesmo que por pouco tempo, sempre tão bom!

    Beijinhos, amigo! :-)

    ResponderEliminar
  4. Miguel,
    de facto o Agosto chegou com tonalidades de Outono. Foi para matar saudades do cheiro a terra molhada :-)!

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  5. Andy

    Não tem nada a ver com o assunto, mas tenho um convite/desafio, se quiseres entrar na corrente:

    10 PERGUNTAS, 10 RESPOSTAS, 10 AMIGOS!

    http://contra-faccao.blogspot.com/2011/08/eu-revisto-por-mim.html

    ResponderEliminar
  6. Ok Miguel, assim que tiver um bocadinho, com certeza! :-)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde ...parece que o mar chama encobre e recolhe é fluxo!
    Abraços

    ResponderEliminar
  8. Caminhei descalça no teu mar querida Andy, senti o sol à flor da pele...
    Lindo texto!!

    Deixo beijos...

    ResponderEliminar
  9. Andy

    O mar exerce sobre nós uma atracção inexplicável. É um misto de colo, lágrimas, força e energia. Existe algo de inequivocamente semelhante entre a repetição ondulante das ondas e marés e a nossa vida, algo que nos aconchega e nos faz sentir como parte integrante da natureza cíclica das coisas.

    É exactamente isso que transmites neste texto!

    Pelo que me apercebo, já retemperaste forças.... oxalá!!!

    Beijinho, amiga minha

    ResponderEliminar
  10. Estes eram os pequenos grandes prazeres que tínhamos!!!
    Hoje a água serena "parte" os ossos!!

    ResponderEliminar
  11. Bya,
    o fluxo do mar, quanta calma nos dá!

    Abraços! :-)

    ResponderEliminar
  12. Márcia,
    muito obrigada!
    sempre cheias de sal as tuas palavras :-)

    Beijos!

    ResponderEliminar
  13. Maria João,
    querida amiga, concordo e sinto verdadeiramente a natureza cíclica das coisas. O mar um verdadeiro aconchego.

    De resto, uma verdadeira intolerância ao sol tem me traído as forças...

    saudades e beijinho!

    ResponderEliminar
  14. mfc,
    pois, ainda assim, hoje esteve um belo dia!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  15. Lilá(s),
    sem dúvida!
    oxalá haja sempre possibilidade para desfrutar destes mesmos pequenos momentos.

    um grande beijinho!

    ResponderEliminar