7.6.11

desenho rosado

surgiu no rosto o desenho rosado de uma lágrima que ainda não caiu
talvez me tenham cravejado poros abaixo os pesadelos que me assaltam a noite
que nem uma mão me agarra nas profundezas de um mar tão profundo
que me perco, que grito em silêncio e que só de olhos abertos por fim,
fica a respiração como um mar ofegante contra as rochas,
uma vez e outra e outra...
volto ao espelho, continua o rosado lacrimejo seco,
secas se tornaram talvez as lágrimas,
abrindo socalcos na pele
explicando ao corpo nomes que ele próprio desconhece

2 comentários:

  1. Elenáro,
    obrigada pela visita mas sobretudo pelas suas palavras :-)

    até sempre!

    ResponderEliminar