19.5.11

outonos


se os joelhos não tremessem nas areias movediças dos dias. se as mãos enxutas deitassem por terra os limbos de sal que alguma vez se consegue suster dentro de todo o silêncio de uma lágrima. se conseguisse encher os olhos de horizontes e neles repousar...
seriam flores a cada passo, e os meus outonos nascentes de primaveras...
e não serão, senhores?

9 comentários:

  1. ... são sim! São com toda a certeza!

    ResponderEliminar
  2. são, são sim senhora! e a condicional nunca foi a lâmina que amola a impossibilidade; antes o asfalto em brasa à espera da mão que o molde.
    beijinho, amiga! texto belíssimo!

    ResponderEliminar
  3. São.
    Acredito! É fundamental olhar o horizonte e descobrir a fonte do sonho!
    "(...)Porque sou do tamanho do que vejo/ e não do tamanho da minha altura." cito Pessoa.
    Bom fim de semana
    um beijo

    ResponderEliminar
  4. todos os anos, tem a forma das tuas mãos e a cor do teu olhar
    beijo
    Laura

    ResponderEliminar
  5. "se os joelhos não tremessem nas areias movediças dos dias"

    mas tremem Andy, tremem sempre...

    assim como de Primaveras também somos feitos!

    Um beijinho, minha amiga

    ResponderEliminar
  6. Senhores(as),
    um agradecimento especial pelas vossas palavras, na certeza que sem o vosso eco insubstituível, a escrita seria um sentir solitário...

    mfc, Jorge, Petrus, Laura, Em@ e Maria João, um beijinho enorme!

    ResponderEliminar
  7. Maravilhosa a sensação de "encher os olhos de horizontes e neles repousar." E será que não vivemos momentos desses?
    Obrigada pela sua visita atenta e carinhosa a "Luz de África".
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Isabel,
    certamente que sim, mesmo que inconscientemente...

    obrigada
    Beijinho!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...