23.5.11

anoitecer

depois do ruído dos candeeiros e das árvores que gemem lá fora ao frio, começa-se a recear lentamente a noite, e as folhas em branco que embatem no silêncio da voz.
Os olhos fecham-se de água em flor, latejando em frente a qualquer história de encantar. Há letras que não se escrevem, a tinta extingue-se no murmurar do dia.
Há sempre uma canção e um livro que ficou por ler. Há o cansaço feito suor que escorre agilmente nas horas. Há o sorriso das crianças por adormecer.
E o dia esbate-se como num fio que se quer cheio de luz, mas ténue e rápido como o tempo que mora para além das memórias, como o tempo que não pára e não se cansa porque assim se precisa...

12 comentários:

  1. a poética do entardecer é assim como o diafragma fotográfico: quanto menos luz se anuncia, mais a sua boca voraz abre para nos meter inteiros numa auréola de luz. e o retrato acontece [afinal, os contornos sempre estiveram lá, mesmo que envergonhados pelo lusco-fusco crepuscular].
    beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar
  2. Álvaro,
    obrigada pela visita :-) e suas palavras!
    volte sempre.

    ResponderEliminar
  3. Jorge,
    bela analogia :-)
    que aconteça sempre o retrato, se não for o físico, pelo menos o que as palavras contam...
    Beijinho, amigo|

    ResponderEliminar
  4. A vida tem que ser vivida com a emoção que por vezes nos trai, desnudando-nos mais do que desejaríamos!
    Mas essa é a força da nossa verdade!
    Um texto fantástico, Andy!

    ResponderEliminar
  5. mfc,
    muito verdade o que disseste mas sim, sem emoção não é viver, é um pouco como morrer nas horas que não passam...

    Obrigada :-)
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  6. Que lindo anoitecer aqui vim encontrar! Gostei
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Delicioso de ler, como quem sorve a vida em todas as nuances. A vida... aquela que se vê e aquela que se sente!!

    Um beijinho Andy, é sempre tão grande o que revelas na escrita.

    ResponderEliminar
  8. Andy,
    soube bem ler-te apesar do que aqui troveja.
    beijo que vou desligar isto

    ResponderEliminar
  9. Lilá(s), Maria João, Em@,
    obrigada pelo carinho das vossas palavras, sempre tão boa a vossa presença.
    Por aqui também troveja, ainda que interiormente, o melhor é desligar das palavras por agora...

    Beijos!

    ResponderEliminar
  10. ...traigo
    sangre
    de
    la
    tarde
    herida
    en
    la
    mano
    y
    una
    vela
    de
    mi
    corazón
    para
    invitarte
    y
    darte
    este
    alma
    que
    viene
    para
    compartir
    contigo
    tu
    bello
    blog
    con
    un
    ramillete
    de
    oro
    y
    claveles
    dentro...


    desde mis
    HORAS ROTAS
    Y AULA DE PAZ


    COMPARTIENDO ILUSION
    ANDY

    CON saludos de la luna al
    reflejarse en el mar de la
    poesía...




    ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE CARROS DE FUEGO, MEMORIAS DE AFRICA , CHAPLIN MONOCULO NOMBRE DE LA ROSA, ALBATROS GLADIATOR, ACEBO CUMBRES BORRASCOSAS, ENEMIGO A LAS PUERTAS, CACHORRO, FANTASMA DE LA OPERA, BLADE RUUNER ,CHOCOLATE Y CREPUSCULO 1 Y2.

    José
    Ramón...

    ResponderEliminar
  11. José Ramón,
    belíssimas palavras!
    muito grata pela visita :-)

    até sempre
    gracias!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...