17.4.11

viagem



há caminhos que não existem na bússola que nos cerca as mãos, há mares e rios que se perderam das rotas de sempre e de agora, assim como há um frio-norte impossível de quantificar, mesmo que na pele tragas a expressão desse sentir. Existem palavras que se soletram a cantar, as palavras por quais o silêncio não espera, e vivem a um canto dos lábios, o mesmo doce canto do coração. Sabe-se de um baloiçar o corpo conforme o vento nos leva, segreda-nos ao ouvido, e assim dançamos ao som das tempestades, dos mares calmos e das flores que germinam afogadas em sonhos. Há felizmente um horizonte em que as vozes se tocam e te ouves além de já te teres ouvido vezes sem conta, mergulhas nessa melodia que te perfuma as têmporas com cheiro a jasmim e no regaço das pétalas, alongas o cabelo que te acompanha o olhar... e descansas como se as estrelas te acompanhassem na viagem das tuas palavras.

15 comentários:

  1. Andy
    Mais um formal escondido na roupa formal de uma prosa.
    Bonitas as contradições do sentido das palavras e sempre a sombra de uma doçura latente..

    ResponderEliminar
  2. Andy,
    Há realmente caminhos dos quais apenas sentimos um sumido eco, intuímos um pequeno vislumbre...
    Bela a forma como finda o texto, com a serenidade como companheira de viagem...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  3. A música... sempre a música, a eterna música. Mas... as palavras, céus!... as palavras voam como andorinhas na Primavera, perseverantes, no seu perpétuo regresso!
    Momento único.
    Muito grato

    ResponderEliminar
  4. Há bússolas que não têm todos os caminhos.
    Há caminhos que só identificamos pela dor que cravamos nas pedras, e é lá que pintamos horizontes de mar e brisa, abraçados sempre a um sol que nos aqueça.

    Lindo, lindo o texto!

    Um beijinho amiga minha

    Santa Páscoa

    ResponderEliminar
  5. Miguel,
    ...como se fosse um vestido de gala protegendo as emoções :-)

    Obrigada pela tua presença e palavras.
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  6. AC,
    o quanto precisamos de serenidade para prosseguir, para os caminhos que vislumbramos, ou para aqueles que a bússola nos mostra...

    Obrigada pela tua presença :-)
    grande beijinho!

    ResponderEliminar
  7. Petrus,
    emocionantes imagens, obrigada eu, por tão belas palavras!

    Beijo :-)

    ResponderEliminar
  8. Maria João,
    não têm mesmo, ainda que seja tentador desejá-lo...
    amiga, que haja sempre o sol!
    sempre belíssimas as tuas palavras.

    Abraço, querida amiga!

    ResponderEliminar
  9. A tua prosa poética está muito bem construída! A vida é uma descoberta permanente onde nada está adquirido.

    ResponderEliminar
  10. mfc,
    como concordo contigo...e é bom pensar que ainda temos tanto por descobrir :-)

    Obrigada, beijinho!

    ResponderEliminar
  11. Fernand's,
    :-) muito obrigada!

    um beijo meu

    ResponderEliminar
  12. aromas e texturas, melodias e doces sabores, de tudo o que os sentidos coleccionam esta tua viagem oferece, querida amiga.
    beijos!

    ResponderEliminar
  13. Jorge,
    somos um mar de sensações nesta viagem em rumo para lá do que sentimos.

    Beijinho, amigo!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...