8.3.11

flor de chuva

O dia termina e não pressinto a lua alta e imensa num céu de estrelas. Já o murmurar da noite segreda-me ao ouvido enquanto um violino toca, tal como um véu de palavras soltas ao vento. Repouso o corpo, sinto-o levitar de cansaço e aceito a fragilidade de ser este corpo que todos os dias morre por esta hora e todos os dias renasce para um qualquer momento. Fecho os olhos, até porque já não me consigo ler de olhos postos na vida. Sinto um fugaz ardor que inflama o coração como se fora a serpente que morde com hálito de flores e adormece a razão por instantes, por sonhos e exaustão.
A chuva continua a cair e este ano não consegui que me fosse indiferente, nem o vento que fere a pele, nem o frio que contamina os ossos até ao sorriso esquecido nos dias de sol. E cada dia que passa, abro a janela na esperança de uma primavera, e em cadaVerificação ortográficadia, há sempre uma primavera à minha espera.

10 comentários:

  1. Andy
    Tem calma que já falta pouco para a primavera, embora a primavera seja quando um homem/mulher quiser, com se vê pelo teu texto.
    Vou fazer link para amanhã, dia de cinzas...
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Andy,
    O significativo gesto de abrir a janela diz tudo...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  3. bonita a forma como (d)escreves a vida.
    um dia de cada vez devemos vivê-la. a prima.vera está já ali ao virar da esquina!
    Carpe Diem!
    beijo doce, docinho

    ResponderEliminar
  4. Miguel,
    um sincero obrigadaço, como sempre...e parece-me perfeito para dia de cinzas... :-)

    Beijinho
    p.s. e que venha ela, as árvores em flor e os meus olhos já a chamam com todo o fervor!

    ResponderEliminar
  5. AC,
    de facto...estarmos receptivos ao mar de paisagens que uma janela nos pode oferecer, sobretudo abrir o coração à vida (nem sempre se consegue...)

    Beijinho! :-)

    ResponderEliminar
  6. Em@,
    que a cada dia haja o deslumbramento de estar e ser, nas primaveras dos nossos dias.
    Obg pelas tuas doces palavras :-)

    Beijinho e carpe diem!

    ResponderEliminar
  7. esperar a primavera é não-somente abrir janelas com os dedos, mas, sobretudo, com os olhos que iluminam o peito.
    um abraço, querida amiga!

    ResponderEliminar
  8. Jorge,
    sempre :-)! nem haverá forma mais plena de o fazer
    abraço, amigo!

    ResponderEliminar
  9. Andy

    Florescem as amendoeiras enquanto a geada de Inverno desfalece na terra que aquece...
    que bom que é, ter a capacidade de não perder a esperança!

    Um beijinho amiga minha!

    ResponderEliminar
  10. Maria João,
    não haverá amendoeiras em flor, sem geada de inverno, mas ainda assim, valerá a pena...
    :-)

    Beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar