18.1.11

orvalho

cansativos dias cinzentos de musgo pálido sem flor, arrastam consigo a melancolia que se espraia na cal debotada pelas águas lentas...
leve soluçar de um pássaro que já não canta, ao longe a saborear pequenas gotas de orvalho. Há águas que não se lêem, quem dera que as pedras as reconhecessem...

10 comentários:

  1. Andy

    São delas, das pedras, todos os segredos e todas as gotas de orvalho.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. é apenas a afonia: nenhuma ave ousaria leiloar a voz, por mais que o musgo venda a flor e os dias morram na cinza...
    beijos, amiga!

    ResponderEliminar
  3. HSLO, Maria João e Jorge, um profundo obg pelas vossas inspiradoras e ternas palavras.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  4. Álvaro,
    obg pela passagem, quero com calma visitar o seu espaço.
    Até lá! :-)

    ResponderEliminar
  5. Vamos lutar contra estes dias cinzentos...
    Muito lindo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Andy, eu acredito que as águas não passam em vão.aliás deixam sempre marcas nas pedras, não é? eu adoro apanhar seixos rolados por aí...
    beijo doce.

    ResponderEliminar
  7. Lilá(s),
    terá que ser... não quero correr o risco de não ver a primavera amanhecer :-)
    Obg!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Em@,
    podem parecer indiferentes mas à partida será isso mesmo! :-)
    Beijo dolcíssimo

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...