30.1.11


O toque leve do vento frio nos vidros foscos, a lágrima de água que escorre na janela quando se fecha. Os dias que passam densos, vagarosos como as imagens que se repetem lentas.
Seguro as estrelas baças de luz, não lhes sinto o calor mas não lhes desisto como numa prece sem volta e sem dança...

10 comentários:

  1. andy,
    isso, segura-as bem.
    mesmo baças alumiam qualquer coisa e ajudam-te a distinguir a(s) sombra(s).
    tanto a luz como a sombra são precisas para continuarmos o caminho.
    deixo-te um abraço-laço para te fazer companhia.
    não há nada melhor para aguentar tempos destes.
    em@

    ResponderEliminar
  2. Andy
    Ganhaste na alteração! Embora não seja adepto do minimalismo, o layout que arranjaste é mesmo isso. Assim destaca-se mais o conteúdo, que no caso deste post é poesia em prosa.
    Achei gira música que colocaste "A wither shale of pale", que não é do teu tempo e nem imaginas os momentos românticos (até sensuais), que embalou tanto par, no tempo de "a menina dança?"
    Obrigado por me lembrares que já fui jovem... de idade.

    ResponderEliminar
  3. querida amiga,
    esta música é um arrepio, verdade? escutá-la sentindo as estrelas mesmo que sem luz, mas que sabemos terem a forma e os contornos da nossa mão, é a certeza de que fazemos sentido nesta vida que tantas vezes o parece perder...
    beijinhos e o mapa da via láctea! :)
    p.s. esta versão da annie lennox é ainda mais bonita [na minha opinião] que a original, dos procul harum

    ResponderEliminar
  4. Desistir nunca, segura-as bem e sentir-te-ás melhor.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Em@,
    é como dizes, não há sombras sem raios de luz, nem luz sem sombra.

    Obg Em@, pelo abraço-laço (bonito) :-)
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  6. Miguel,
    também não me identifico muito com o estilo minimalista, acho "frio", em todo o caso, por agora...

    fizeste bem falar do tempo "a menina dança", lembrei-me que também no meu tempo, as discotecas passavam uma balada ou slow, e era esse o ponto alto da noite :-)... aguardávamos ansiosamente por esse derradeiro momento. seríamos mais romãnticos?

    Obg Miguel e beijinho.

    ResponderEliminar
  7. Jorge,
    esta música é um verdadeiro arrepio e partilho da tua opinião, a versão de Annie Lennox é bem mais cativante.

    As estrelas têm outro brilho à sombra de qualquer música.

    Beijinho amigo!
    p.s. um mapa dava de facto muito jeito :-))

    ResponderEliminar
  8. Lilá(s),
    assim tento :-)

    Obg e beijinho grande!

    ResponderEliminar
  9. Andy

    Tal como a repetição das imagens lentas dos dias densos e do olhar que acompanha a gota de chuva que cai na vidraça, também as estrelas lá estão, repetidamente noite após noite. Por baças e laças que sejam, são elas que iluminam os sonhos do sol enquanto dorme.

    Um beijinho e nunca desistas de nada! Nada é exactamente igual, embora pareça.

    ResponderEliminar
  10. Maria João,
    as tuas palavras fizeram-me pensar nos sonhos coloridos do sol, nas estrelas que perduram, no coração que não pára, e na vontade de ver sempre um qualquer brilho mesmo que em cada sombra.
    Belíssimo amiga. Beijinho!

    ResponderEliminar