13.1.11

jardim

.
Consideremos o jardim, mundo de pequenas coisas,
calhaus, pétalas, folhas, dedos, línguas, sementes.
Sequências de convergências e divergências,
ordem e dispersões, transparência de estruturas,
pausas de areia e de água, fábulas minúsculas.
...

O jardim, António Ramos Rosa

11 comentários:

  1. Bonitas palavras e bonito jardim.

    abraços

    ResponderEliminar
  2. é isso tudo e o resto, Andy.
    ___
    e o meu jardim rente ao céu neste momento desfeito...
    beijinho

    ResponderEliminar
  3. Andy

    Que jardim imenso é, cada um de nós!

    Um beijito

    ResponderEliminar
  4. Tudo isso e muito mais...o meu refúgio.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. HSLO,
    esta fotografia foi tirada num 1ºde maio, o sol queria despontar mas segundo me lembro não chegou a fazê-lo, e é precisamente num dos tantos e belos jardins de sintra.
    Beijinho e óptimo fim-de-semana :-)!

    ResponderEliminar
  6. Em@,
    já ontem à noite queria ter conseguido responder aos vossos comentários, mas uma chávena de chá foi responsável por um sono arrebatador...

    breve tenho a certeza que o teu jardim se irá recompor e ficará ainda mais belo e junto ao céu! depois quero ver fotos :-)

    Beijinho enorme!

    ResponderEliminar
  7. Maria João,
    os jardins são realmente em cada recanto imensos, pelas sensações, pelas memórias, pelo momento em que livremente somos cada um de nós.

    Beijinho amiga!

    ResponderEliminar
  8. Lilá(s),
    a maior parte das vezes, para não dizer sempre, o meu refúgio também é sempre um jardim.
    Grande beijinho!

    ResponderEliminar
  9. ...
    "Geometria que respira errante e ritmada,
    varandas verdes, direcções de primavera,
    ramos em que se regressa ao espaço azul,
    curvas vagarosas, pulsações de uma ordem
    composta pelo vento em sinuosas palmas.

    Um murmúrio de omissões, um cântico do ócio.
    Eu vou contigo, voz silenciosa, voz serena.
    Sou uma pequena folha na felicidade do ar.
    Durmo desperto, sigo estes meandros volúveis.
    É aqui, é aqui que se renova a luz."

    António Ramos Rosa

    ResponderEliminar
  10. adorei a fotografia e o Clair de Lune assenta como uma luva neste blogue
    Beijo, e continua, sempre
    Laura

    ResponderEliminar
  11. Laura,
    cada pedaço de verde deste lugar é simplesmente lindo, havias de gostar!

    Obg Laura, fizeste-me um sorriso.
    Beijo

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...