10.1.11

.

O natal já está arrumado em prateleiras, sacos, e sombrinhas. Os desejos já estão confinados às possibilidades prateadas das estrelas. E os dias prosseguem com a mesma naturalidade, seja velho ou novo ano.
Em casa, as viroses insistem e apoderam-se dos mais pequenos, apesar dos desejos pedidos. As forças não estão redobradas, escasseiam e perco-lhes o fio à meada.
Mesmo assim, espreitei o céu pela janela, lá está a meia-lua e uma estrela luminosa, gosto tanto quando se juntam assim, independentemente de que noite for...
e este foi o mais pequeno, mas longo momento de silêncio deste dia.

4 comentários:

  1. Andy

    E sendo às vezes tão pequenos, no silêncio da noite, são enormes na reflexão feita. Sinais de que a vida não te passa ao lado, mas que a sentes e sofres com tudo o que tens dentro de ti. E isso é sempre tão bom de ler!

    Quanto aos vírus... malditos monstros ocultos que não largam os mais desprotegidos!

    Um beijinho de coração

    ResponderEliminar
  2. Maria João,
    obg amiga!
    e malditos monstros mesmo, nem eu lhes escapei desta vez...

    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Andy eu ainda nao arrumei as minhas coisinhas de Natal :(

    Os desejos e sonhos continuam ...

    Malditas viroses ... não dão descanso . Desejo de rapidas melhoras

    beijinho grande

    ResponderEliminar
  4. Obg Blue pelas melhoras.

    ...que continuem sempre!
    Beijo grande

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...