31.1.11

viagens

acelerar, travar, parar, ponto de embraiagem, primeira, segunda, terceira mudança, acelerar, travar, parar, ponto de embraiagem, travar, ponto de embraiagem, parar, ponto de embraiagem, acelerar, continuar, ultrapassar, travar, travar, travar...
...
que saudades das viagens de comboio, aquele respirar monótono que paira no ar, e o abandono do corpo e mente consoante a necessidade.
Há sempre uma nostalgia que se estende ao longo da paisagem e se perde no horizonte colorindo o olhar. Um nascer do sol que se fixa na janela onde derramamos sonhos e um pôr-do-sol que não regressa e que leva um pouco da alma do dia.
Um caminhar de pouca terra junto ao chão e muito perto do céu que não nos perde de vista.

14 comentários:

  1. Andy
    Lindo, porque mais uma vez voltei ao antigamente e adoro andar de comboio...
    Aprendeste depressa!
    Vou fazer link para amanhã e obrigado.

    ResponderEliminar
  2. Miguel,
    se temos lugar sentado à janela, é muito bom, temos a paisagem, ainda por cima é mais barato, podemos ler ou escrever, e faz melhor aos ossos :-)

    desta vez foi-me fácil dar título por ser de conteúdo mais objectivo.
    Obrigada eu :-)!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. querida amiga,
    encontrei tantos lugares e tantas pessoas que quereria reencontrar a partir da janela do teu comboio...
    belo texto!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  4. ah, adoro estas viagens!
    beijinho
    (e que baixe o preço do combustível, :))

    ResponderEliminar
  5. Jorge,
    uma janela é sempre um mundo de memórias e de presentes...
    Obg amigo!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Laura,
    ah sabem sempre tão bem! que saudades...

    (mas que baixem urgentemente :-))
    Beijo grande Laura!

    ResponderEliminar
  7. :)

    A minha ultima viagem de comboio foi unica , um momento fantastico Andy . Sentei-me á janela entra uma rapariga que se senta na minha frente e começa a olhar muito para mim, começou a incomodar-me o olhar dela, de repente diz o meu nome :) era a minha amiguinha de escola da 1º á 4º classe, não queria acreditar que depois 30 anos a vou encontra no comboio . :)

    Beijinho grande Andy

    ResponderEliminar
  8. Blue,
    não há dúvida, uma viagem de comboio deixa-nos disponíveis para uma infinidade de coisas, até para momentos especiais como o que descreves!

    Beijinho grande Blue!

    ResponderEliminar
  9. Acelerou, travou e parou no ritmo certo.
    Belo texto.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  10. Ibel,
    um imenso obrigada pela visita e sobretudo pelas palavras.
    Admiro muito a sua poesia, que tenho tido o prazer de conhecer através do "contra-facção", um encanto!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Andy

    Ando a passear-me no seu blog.Estou a degustar.Depois digo de minha justiça. E que tal dar uma espreitadelazinha ao meu? Gostaria muito.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Ibel,
    fico muito feliz que o faça, no fundo é a vossa presença que dá mais sentido a tudo isto. Irei concerteza ao seu blog, com todo o prazer, assim que o tempo me deixe... :-)

    Beijo

    ResponderEliminar
  13. Andy,
    eu não acelerei, nem travei...apanhei só boleia, porque não conduzo.
    mas foi uma bela boleia.
    sabes do que gosto desde muito miúda? de estudar a expressão das pessoas, a sua linguagem corporal e imaginar a sua história de vida. quando andava na faculdade, aí em lisboa, chegava a fazer viagens completas de metro, autocarro ou eléctrico só para exercitar a minha imaginação. assim curei muitas neuras eheheh,
    beijo carinhoso.

    ResponderEliminar
  14. Em@,
    :-)
    sabes, até gosto de conduzir, mas não pressionada por horas a cumprir e trânsito infernal logo pela manhã...

    e de facto, viajar sem preocupações é muito relaxante e o pensamento abre as suas asas :-)

    Obg Em@
    Beijinho doce

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...