5.12.10


"As estrelas brilhavam, íntimas e distantes. E pareceu-lhe que entre ela e a casa e as estrelas fora estabelecida desde sempre uma aliança. Era como se o peso da sua consciência fosse necessário ao equilíbrio das constelações, como se uma intensa unidade atravessasse o universo inteiro."

O silêncio
Sophia de Mello Breyner Andresen

18 comentários:

  1. dos mais belos contos que alguma vez li.
    um beijinho com veludo!

    ResponderEliminar
  2. E, no mergulho destas palavras, a sensação de harmonia perpetua-se...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  3. ah, que saudades de ser criança e ler estórias em vez de histórias.

    ResponderEliminar
  4. Encantada! poesia e imagem fazem um belo post!
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Jorge,
    completamente belo, um conto cheio de veludo :-)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  6. AC,
    nestas poucas palavras, a verdadeira harmonia contagiante.
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  7. Rach,
    aconselho vivamente a leitura deste conto - o silêncio.
    Beijinho :-)!

    ResponderEliminar
  8. Laura,
    obg pelo incentivo.
    um enorme beijinho!

    ResponderEliminar
  9. Lilá(s),
    obg pelas tuas palavras :-)
    Beijos!

    ResponderEliminar
  10. ai ,esta Sofia dos meus encantos.
    obrigada, Andy. é sempre bom lê-la.
    assim como a ti.:)
    beijo

    ResponderEliminar
  11. Em@,
    é mesmo, dos meus encantos também, adoro lê-la, e quase arrisco dizer que gosto sobretudo da sua prosa.
    e Em@, muito obg por gostares de me ler :-)
    um imenso beijinho para ti!

    ResponderEliminar
  12. Andy

    É sempre no silêncio que nos ouvimos. Sem essa escuta atenta do que vem dentro de nós, jamais existe equilíbrio. E disso, tão bem sabia Sophia...

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  13. Maria João,
    ...e como tanta falta sinto desses momentos mais íntimos de silêncio.

    Beijo amiga!

    ResponderEliminar
  14. Olá Andy, é um praze lhe visitar, pois seu blog é lindo, tanto na decoração, quanto pelas imagens, e pensamentos que aqui dedica.

    Adorei a imagem deste post em especial, pois é singela a imagem, e a narração que tudo tem a ver com a cena.

    É, ao meu ver, o simples ver da criança do mundo, que sente tudo como interligado. As crianças aproveitam muito mais o tempo, os lugares, e as sensações do que jamais seremos capazes de captar quando crescermos, mesmo que seja contabilizado isso até a hora de nossa morte.
    Bem...é essa a interpretação que prefiro fazer deste texto e imagem que traz um tom poético.

    Deixo a você um grande abraço, e parabéns mais uma vez por esse belo espaço.
    Quando puder não deixe de me visitar, e deixe também seu comentário.

    Abraços

    Bersebah

    ResponderEliminar
  15. Bem-vindo Bersebah!
    Obg pelas suas palavras :-)
    concordo com o que disse, as crianças têm de facto, uma capacidade de deslumbramento enorme perante aquilo que vêem e sentem. E será uma pena que por alguma razão não o consigamos sentir de igual forma...
    acredito que haja momentos em que mantemos esse olhar pleno sobre todas as coisas.

    Até sempre
    visitarei o seu espaço!

    ResponderEliminar
  16. Amei amei...desculpa nao ter comentado num post mais recente...mas é que nao quero apanhar sustos....ohh no!!
    beijinhooosss****lindo post!

    ResponderEliminar
  17. Obg Pattie.
    :-) hehe bem visto, sustos nem pensar, mas o do post mais recente, até poderá ter muito que se lhe diga!
    Beijinhos!!!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...