7.11.10

dos dias...

O calendário continua na parede e o que resta são páginas de poucos meses desfilando na parede cheia.
Quando emerge o silêncio da noite, consigo ouvir o cansaço no seu mais arrebatador queixume. Esse cansaço que mora nos dias...
Hoje cheguei a casa, e em frente ao espelho que não baço, me dava a clareza dos olhos, do risco castanho sob o olhar, da ruga à direita sugerindo pontos de exclamação, e há sempre aquela parte que toca os lábios em forma de V depois do nariz, e o canto dos lábios que podem sorrir como o sol.
Tirei os ganchos do cabelo, desmanchando o vislumbre de um possível cacho de uvas colhido há uma semana, nos ondulados rarefeitos. O sonho de um cabelo liso já o tempo levou...
Untei o rosto com as mãos decididas e amaciei as linhas que a vida torna visíveis.
E breve, quero descansar e esquecer que me lembro... e que no espelho me demoro.
Não me assusta os dias ou o calendário, assusta-me se não souber levar o melhor dos dias.

8 comentários:

  1. Andy:
    também a mim o que me assusta, e sempre assustou, é passar pela a vida...
    o texto que escreveste,para além de bonito, é profundo e retrata o medo de muitas mulheres. tentemos pois fazer tudo para levar o melhor dos nossos dias. eu tento e nem imaginas com que persistência e força.
    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Andy

    A vivência dos dias, com todos os cansaços que neles se penduram, terá de ser a consciência futura de que haverá um dia, em que exposta na parede estará, talvez, a última folha do calendário. Nesse dia o livro que terás nas mãos e que acaricias no desfolhar de cada página, nele não exista nenhuma folha, onde não tenhas ousado escrever, mesmo no limite das tuas forças.
    Se assim o fizeres, as rugas unir-se-ão ao sereno sorriso de sentir, quase completa, a obra feita.

    Um enorme beijinho, minha querida amiga!

    ResponderEliminar
  3. "Não me assusta os dias ou o calendário, assusta-me se não souber levar o melhor dos dias."
    ora aí está o que pode figurar na parede, em lugar do calendário :)
    um beijinho, amiga!

    ResponderEliminar
  4. Em@, entendo o que dizes e sinto igual, há sempre o receio de passar pela vida, sem a viver até ao cerne do que realmente vale a pena viver.
    Que tenhamos sempre essa força interior.

    Beijinho grande!

    ResponderEliminar
  5. Maria João,
    maravilhoso o que escreveste, sobretudo porque me amparo tantas vezes no saber que o amanhã virá, e que o futuro será tão mais cheio, quanto aquilo, que eu no presente, souber "colocar".
    Embora, no entanto as forças faltem na mesma, por vezes...

    Beijo querida Amiga :-)

    ResponderEliminar
  6. Jorge, tão verdade, porque tantas vezes o esquecemos e nos deixamos levar pelo ruído dos dias.
    Saibamos levar sempre o melhor dos dias, mesmo em dias mais cinzentos.

    Beijinho amigo!

    ResponderEliminar
  7. Andy,
    E no entanto é "esse cansaço que mora nos dias..." que nos impele à renovação, ao inconformismo, à procura de sabermos "levar o melhor dos dias."
    E é bem certo que às vezes o segredo está no olhar que transcende...

    beijo :)

    ResponderEliminar
  8. AC,
    o cansaço físico, esse mais difícil de contornar, que seja uma alavanca de renovação para dias mais leves, e sempre com o melhor dos dias!

    Beijinho AC :-)

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...