6.9.10

noite


de olhos caídos sobre a folha branca, sem palavra ou ponto de exclamação por dizer ou declamar...
pois que a noite é um corredor prateado com laivos negros e assim que lhe ponho o pé há logo um recuo de algo por dizer, mas no fundo não há sal que se exprima tão bem como no mar.
E acredito que estas prosas que nada têm... se igualem a um qualquer esgar, a um corpo que se verga, ou até ao fogo longínquo que o pôr-do-sol promete mas sem querer se esbate na linha do horizonte fria e compulsivamente.
Há para mim um descanso nas palavras onde adormeço o tremor da voz ou os passos inseguros.
Riu-me e choro-me no ritmo do lápis a percorrer os labirintos de um dos tantos papéis que sinto dentro de mim.
Mas tranquilizem-se, será apenas o momento em que me fecho nas paredes côncavas do coração e ali fico.
Como se fosse o último cigarro da noite, se fumasse...

18 comentários:

  1. Tu diz que meu blog é lindo...
    O teu sim é universo esplêndido!!

    "Há para mim um descanso nas palavras onde adormeço o tremor da voz ou os passos inseguros..."

    O texto é magnífico, esta parte diz-me muito!

    Amplexos...

    ResponderEliminar
  2. Pior, é uma folha branca e um cigarro, que nos consomem.

    ResponderEliminar
  3. Hoje sinto-me exactamente assim...e é bom saber que longe de nós há alguém que escreve aquilo que sentimos. É como se levantasses o peso das minhas costas e com as melhores palavras do mundo!
    Ah,se eu fumasse, esta noite ficava à janela...

    ResponderEliminar
  4. Márcia bem-vinda :-)
    o teu blogue está imperdível, é uma janela para o mar, lindo de morrer mesmo! e a poesia cheia de sal.
    um agradecimento especial p'las tuas palavras e muito sucesso para o teu livro "Poetar é Preciso!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Miguel,
    nada se esgota mas por vezes a todos nós devora como uma folha branca que nos silencia...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  6. Rach,
    volta sempre para partilharmos a mesma janela, mesmo sem fumar :-)
    Obg e beijinho!

    ResponderEliminar
  7. o derradeiro cigarro não se fuma. segura-se nas mãos com delicadeza, afaga-se, leva-se aos lábios, beija-se e... espera-se o final da noite. belo texto!
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  8. Andy:
    dos mais bonitos que escreveste. :)
    gostei e fico contente de ver que o teu blog começa a ter a visibilidade que merecias e mereces.
    beijo

    ResponderEliminar
  9. Em@,
    :-) obg por teres gostado mas sobretudo por continuares por cá, por estas fases da lua...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  10. Um texto magnífico que demonstra bem o que se sente!
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Obg Lilá's!
    volta sempre com a tua cor, uma das minhas preferidas :-)

    ResponderEliminar
  12. porque não deveria de continuar?
    posso andar meio-afastada pelo cansaço, falta de força anímica,sei lá! mas nunca deixo de visitar quem me visita. :)
    beijo

    ResponderEliminar
  13. são as tuas/vossas visitas que dão força para continuar.
    beijinho Em@!

    ResponderEliminar
  14. E na folha branca lá vão caindo, afinal, pedaços secretos de ti e do teu mundo.
    Por entre o escuro das tuas palavras há sempre um brilho subtil, mas não menos belo ou intenso - o reflexo do pôr-do-sol, o prateado que ilumina a noite, até mesmo o crepitar triste do cigarro inflamado… Diria que é por isso mesmo que tudo se torna belo, por esse contraste…
    Delicadas e bonitas estas palavras.

    ResponderEliminar
  15. Anna
    delicadas e belas foram sim, as tuas palavras.

    Há dias que nem a folha branca cativa as palavras que se ficam apenas pelo silêncio, hoje é um desses dias.
    Anna, um obg imenso por teres vindo!
    beijinho

    ResponderEliminar