16.9.10


"até logo
e o eco de súbitas janelas fechadas com estrondo
rompeu em brasa no que ainda restava da
minha pele verdadeira"


Alice Vieira

6 comentários:

  1. Que encanto! bem escolhido poema e imagem!!!

    ResponderEliminar
  2. Obg Lilá'(s), Anita, HSLO!
    Beijos :-)

    ResponderEliminar
  3. A pele...
    Ao longo da vida, tantas vezes se despega ela de nós.
    Tantas vezes ficamos em carne viva!


    Um beijinho

    ResponderEliminar
  4. a pele
    poderia ser ela a nossa barreira protectora, mas da mesma maneira que o é, também nos trai denunciando tantas vezes os nossos mais ínfimos segredos, como um espelho da alma...
    Beijinho Maria João!

    ResponderEliminar