14.8.10

Lunário


"Uma brisa nocturna e carregada de sal desatou a soprar. O dia começava a morrer. A espuma das ondas tornara-se quase vermelha, a água ardia. Beno sentiu-se envolto numa espécie de torpor que o cegava. Olhava o mar, pressentia-o mais do que, na verdade, o via. E tudo o que via, afinal, não era senão uma mancha azulada estendendo-se a perder de vista, metalizada e ondulante, onde o crepúsculo derramava breves incêndios..."
Al Berto
(prosa)

2 comentários:

  1. Bonito e bem ao teu estilo :)

    Beijinho e bom fim de semana*

    ResponderEliminar
  2. gosto muito de Al Berto, só conhecia alguma da sua poesia, estas férias de verão, na feira do livro de Sines, encontrei vários livros de prosa, trouxe este.
    sempre bom ter-te por cá
    beijinho e óptimo fim de semana!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...