18.7.10

doces livros


Há cerca de umas semanas atrás, numa feira do livro e artesanato, encontrei um livro que não sendo poesia ou romance, é quase um desconcertante desfile de sensações, como são a maioria dos livros de receitas e culinária. É verdade, para mim folheá-los é quase como saborear antes de se sentir, como a sensação que antecede ao chocolate na boca, ou algo que pressentimos ser suculento faz nascer um sorriso espontâneo no canto dos lábios. "Afrodite" de Isabel Allende é mais do que isso, trata-se quase de um trabalho de investigação que a autora se predispõe a partilhar, nomeadamente relativamente aos efeitos que determinadas iguarias influenciam no corpo, quer sejam elas, relaxamento ou êxtase, são descritos com a maior boa disposição. Isabel Allende faz referência a algumas das suas obras literárias, acompanhadas de histórias que a memória dos sabores não falha. Durante este percurso sobre o mundo dos alimentos, muitas são as pinturas apelativas nas cores e formas, que completam o saborear deste livro cozinhado com os melhores temperos vindos do coração.
Um outro livro surgiu “Cozinha para quem não tem tempo” de Margarida Pinto Leite, quase o caracterizo como um pequeno diário de folhas simples, que nos fazem mergulhar numa atmosfera de calma e contemplação pela junção, diria que quase sofisticada dos alimentos. Valeu já pelo creme de courgette, e tantas outras a experimentar como, pão de coco, brownies com manteiga de amendoim, bolo de veludo vermelho com cobertura de sete minutos, bife grelhado com cogumelos do campo e recheio de tomate seco e manteiga, e enfim, tantas outras. Acrescenta ainda, utensílios, especiarias e alimentos úteis e indispensáveis para a autora, em como ter uma cozinha sempre activa e pronta a deslumbrar.
Depois de um fim-de-semana exaustivo a trabalhar, tive vontade de chegar a casa e saborear o que resta deste domingo, tentando que se parecesse o mais possível com um comum domingo...e talvez o cheiro de um bolo no forno fosse o ingrediente para criar essa atmosfera. A verdade é que olhei para estes livros, e daí a minha partilha... mas o pensamento surreal que os ingredientes se juntassem sozinhos ao ritmo dos meus desejos, foi a única coisa que o cansaço permitiu...
não hão-de faltar oportunidades e vontade! :-)

4 comentários:

  1. belo e saboroso regresso, amiga andy! este blogue está com um new look muito agradável e referências cada vez mais deliciosas :)!
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  2. Obg Priscila!
    passei pelas conchinhas e achei-as lindas.
    :-)

    ResponderEliminar