3.6.10


Em frente ao vento que descansou sobre o dia, e às nuvens que sobre o dia pousaram, ficou o anoitecer cansado, onde nem as árvores se agitam ao sabor do vento...
O olhar das pessoas, a fragilidade, as vozes, as pessoas... as suas mãos, o corpo, o corpo doente de quem se cuidou... o meu olhar, a fragilidade, a minha voz, as minhas mãos, o meu corpo cansado. E o dia esventra-se ao compasso da vida, e as horas sugam as energias que colhemos de uma flor e os céus aguardam o sol que rasgue quente o azul.
Fica o silêncio da noite , como um estrondo que nasce e morre num fio de som abafado, num piano sussurrado.

10 comentários:

  1. este teu esboço promete...dá-lhe cor;) Ousa!!
    gosto sempre dos teus textos sensíveis e poéticos.
    beijo

    ResponderEliminar
  2. sabes, este esboço fui encontrá-lo num pequeno monte de desenhos que pertencem ao passado, e sim já pensei lhes pegar e dar alguma cor, mas há sempre o receio de os "estragar". talvez ganhe coragem
    Beijinho Em@!

    ResponderEliminar
  3. "fica o silêncio da noite"... a sinfonia nocturna tem apenas uma cor matizada em diferentes tons... como o teu esboço... irrepreensivelmente encaixado na tela que bordas com palavras (eu não lhe acrescentaria qualquer cor, mais... "leio-o como obra terminada).
    um beijinho, amiga!

    ResponderEliminar
  4. curiosamente, lembro-me que quando terminei o esboço, parei a olhar o vazio do papel e achei-o perfeito... de tal maneira, que não consegui acrescentar o que fosse. passados anos, quando o revejo, sinto o mesmo conforto no vazio que se estende sobre o olhar de quem foi desenhado e de quem olha o desenho...
    talvez o silêncio e o vazio terão a forma e a cor, que a cada um se afigurar.

    Obg Jorge! Bjinho.

    ResponderEliminar
  5. Andy, julgo que percebeste o que eu queria dizer com o dá-lhe cor. com o ousar.
    beijo

    ResponderEliminar
  6. sim Em@, percebi. referias-te ao esboço em si que parece inacabado.
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  7. Acabei de escrever um comentário , mas acho que fugiu.
    vou tentar repeti-lo.
    Andy eu não quis dizer que o esboço estava acabado ou não. (um esboço é sempre um esboço, não é?)
    só tu é que podarás saber se está acabado ou não.
    quando eu disse dá-lhe cor, ousa, só quis dar-te um empurrãozinho para passares do monocromático para o policromático.a mim também me deram um...(nem imaginas, por ex. o tempo que levei para fazer o blog. fui protelando, protelando.)
    pode ser uma experiência tão boa para ti introduzir a cor como foi para mim.foi só mesmo isso. desculpa se me intrometi.
    beijinho

    ResponderEliminar
  8. Em@ ainda bem que deste a tua opinião e incentivo, só com os testemunhos de quem passa é que isto toma alguma vida, caso contrário, tudo isto parece um monólogo sem eco. desculpa eu, se te interpretei mal. como te disse, o desenho não é algo que sinta nascer com a maior das facilidades ou pelo menos da forma que eu gostaria, porque sei ter muita inexperiência e ultimamente falta de treino. Ainda assim, é uma forma que tenho de me expressar e para mim resume-se a isso...com todas as limitações, os desenhos entram no "Lua" porque fazem parte do meu mundo imaginário.
    A tua opinião e dicas são sempre bem-vindas, e neste campo tens um imenso dom, como sabes sempre foi com grande admiração que comentei as tuas obras.
    Obg e beijinho!

    ResponderEliminar
  9. Concordo com a Em@, com a visão dela (apesar de não saber desenhar nem pintar...). Continua Andy!
    Beijinho

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...