19.5.10

...do silêncio


Queria sentir uma ponta de vento no calor imenso que se estendeu no dia, em mim...
queria pressentir uma qualquer brisa que me afagasse os nós dos cabelos e os desfizesse como quando o vento desfaz o areal dos meus pensamentos.
Podia também esquecer o silêncio das minhas palavras, mas elas são o próprio silêncio e são elas o meu Ser em silêncio.
E apesar desse silêncio me doer e ensurdecer o corpo, aprendo a lhe ter carinho, assim como o tenho pelas flores e pelo mar que revolto me acorda da passividade dos dias.
Podia também agarrar um raio de sol e prendê-lo à pele para nunca sentir o frio... aquele frio que nasce do ar que respiro e se prolonga até os espaços vazios do corpo.
E quem sabe se conseguisse escolher um ramo de estrelas numa noite acesa de luar, seriam a minha fonte de luz e lhes prometeria o canto e embalo nem que fosse com voz de silêncio...

3 comentários:

  1. li o teu texto... em silêncio... foi a melhor forma de deixar que as palavras se desprendessem das amarras sintácticas para se elevarem no ar, como vento à solta numa tarde quente de primavera...
    um beijinho, andy, e parabéns pelo belíssimo texto!

    ResponderEliminar
  2. deixei aqui um comentário...ainda não chegou????
    imagens poéticas muito bonitas.
    beijo no <3

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...