24.3.10

.

Se o nascer de um dia tivesse perfume, escolheria o cheiro dos lírios em flor que gotejam do orvalho mansinho o doce que tocou o néctar.
E se soubesse desenhar um amanhecer, hoje teria sido o sol debaixo da terra com raízes brilhantes até aos primeiros rasgos de água...no profundo e escuro silêncio onde a sede procura a água.
Sob os pés a terra escorregadia temperada pelo sal da terra... e nas profundezas da terra o lume que queima os olhos.
Sim, é preciso ser um pouco louco ou poeta para sentir o dia nascer nas raízes dos pés, sem luz que do céu se revele.
O dia passado e confirmei depois abismada que o pôr-do-sol rasgou o céu com a cor da tranquilidade...

3 comentários:

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...