8.2.10

.

olha como quase não tenho escrito...
como o silêncio caminha por mar dentro
intumescendo as ondas para desaguarem
em palavras tempestuosas sobre o areal
faminto de água...
reparaste que também hoje as chuvas caíram?
talvez confessem ao mar
o sabor das suas lágrimas
num dia em que o coração sorriu

viste que ao fundo do corredor coloquei
o quadro do barco atracado em mar calmo?
deixei os dois vasos de plantas verdes
por baixo...ficou perfeito.

4 comentários:

  1. todos os silêncios acabam por crescer na onda da palavra acabando por desaguar em areais famintos de água. Porque a verve poética efervesce na voz não da boca, mas do coração.

    ResponderEliminar
  2. Depois da travessia por onde o silêncio nos levou, o barco chega ao cais e adormece nas águas calmas depois de tanto ter sonhado...
    Um beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  3. Reparei pois,ficou perfeito.sem o teu toque,quer no fundo do corredor quer no fundo de mim,quer em tudo o que faças se não tivesse o teu toque nada seria tão belo e perfeito.
    Continua com força.
    A__-__.

    ResponderEliminar
  4. Que bom, Andy!Quando chegados à praia verificamos que tudo o que resta é perfeito.
    Beijo

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...