24.1.10

.

Era um caminho tranquilo... o mesmo não se poderia dizer do meu coração que ávido de dias cheios, respirava imensamente o tempo, o sol e as flores... e num abraço profundo, o dia afigurava-se num contentamento pueril de quem não sabe prever a sombra dos dias...
E em cada passada larga perfumada pelas flores, umas brancas sem nunca lhes ter sabido o nome, outras rosa flor, recostadas nos murais... enchia o peito de tudo o que o corpo sabia para vencer o dia...
Não me cansava... além de ser em plano chão, também não sabia da existência desse verbo...
Conhecia de antemão os desconhecidos que encontrava em cada curva, as pedras, os muros que escondiam as casas de um sonho, os cães que ladravam em desvario...
E à aproximação, fazia-me de passadas pequenas e um formigueiro no estômago, quase um rubor no rosto de um coração em sobressalto... em frente, era a única palavra de ordem e assim era o acordar dos dias...

3 comentários:

  1. Apesar do formigueiro no estômago, do rubor no rosto e de um coração em sobressalto, saiba-se, sempre, que o grito de ordem é... "em frente"!

    Beijinho, Amiga!

    ResponderEliminar
  2. Andy:
    Gosto de textos que revelem as emoções. Que mostem que há vida em quem os escreve, mesmo que nem sempre tudo seja tranquilo.Também, se assim fosse era uma "chatice".
    Beijinho e não te esqueças de sorrir,

    ResponderEliminar
  3. Descoberta matinal, em meio ao vento, em meio a sombra, em meio a distração de meus próprios pensamentos...
    Leitura curiosa para o meu olhar, sensações diferentes para esta minha pele. Grata pela possibilidade.

    Ps. Já cheguei, chegando.rs

    ResponderEliminar