14.1.10

Tia Suzana, Meu Amor

"Via-a a aceitar com alegria, o sol e a chuva, os bons e os maus ventos, só porque saíam assim da natureza, tal e qual como ela fora feita. Pensei como gostava de flores e via-a de luvas, de sacho pequeno, ancinho e tesoura de podar, naquele jardim estendido por detrás da fachada fidalga da casa do fundo da rua, entre as áleas de camélias e o cheiro do limonete, a tratar dos malmequeres, dos jarros e dos lírios, que se seguiam pela porta dos canteiros."

António Alçada Baptista

4 comentários:

  1. Andy:
    Eu sou uma leitora compulsiva.Tenho livros até mais não. Este nunca li. Gostaste?

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito! Sobretudo adorei o diálogo entre a Tia Suzana e o narrador...

    ResponderEliminar
  3. Também gostei muito! Mas não se esqueçam de espreitar "O Tecido do Outono"; soberbo!

    ResponderEliminar
  4. Jorge,
    será um dos próximos...
    bjinho!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...