21.1.10

.

Arrancasse eu as vestes do cansaço que de cores tempestivas se agarram à pele... silenciaria os queixumes que se desenham num papel...
papel sem voz... guarda o que das palavras fica por dizer, que das mãos uma escultura faria nascer...

2 comentários:

  1. Que imagem bonita aqui desenhaste em letras!

    ResponderEliminar
  2. Da tua escrita guardo o que fica por dizer, mas, sobretudo, o que, com magia na voz, sabes dizer.

    Beijinho!

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...