17.12.09

...tanto frio

As minhas mãos não partilham da ideia que o frio conserva...mais parecem mapas de linhas decalcadas pelo vento frio...
e não tivesse eu na memória do corpo, um clima temperado, até poderia achar engraçado estar o dia a tiritar de frio, mas não...
nem as camadas de roupa são o suficiente, nem os caloríficos, nem as bebidas quentes...
o corpo ressente-se e quase pede aconchego permanente entre édredons e mantas quentes.
As árvores da avenida onde moro estão nuas de luz, se estivessem iluminadas poderiam aquecer um pouco mais quando olhasse pela janela ...
o frio bate nas vidraças e sem pedir, entra de mansinho, a lembrar que o melhor mesmo, seria não sair de casa...
mas a azáfama continua e ainda bem... e mesmo para ir aos ensaios à noite tenho que me mentalizar previamente para enfrentar esse...tanto frio que sinto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...