16.11.09

retalhos

1
A porta da entrada era de ferro branco e preto, a campainha igualmente em ferro mas enferrujado, parecia um pequeno sino que raramente tocava.
Esta porta abria-se para o início do quintal, claro. Existiam dois vasos em pedra enormes com fetos viçosos que preenchiam quase toda a entrada, dando um ar acolhedor que convidava a entrar.
O piso era empedrado sem falhas, de uma pedra cinza escura, muitas vezes fingi que o varria, adorava... normalmente todas as crianças gostam.
Quando se subia do lado esquerdo, estavam canteiros cheios de Estrelas de Natal, flores vermelhas e inesquecíveis, às vezes partia-lhes pequenas folhas só para ver o "veneno" branco.
Do quintal avistava dois terrenos onde eram cultivadas vinhas, pertenciam ao meu vizinho do lado, um homem acabado e velho que dava de beber a mil homens que lá paravam e que como ele, se arrastavam na vida ao compasso do vinho. Na altura mais me pareciam homens doentes prestes a morrer nas próximas horas mas todos os dias de manhã lá estavam eles de novo...
Havia uma figueira e uma ameixoeira que davam frutos doces e sombra às minhas brincadeiras.
A vizinha do outro lado também velha, de cabelo médio e traços rudes com um olhar aflitivo... fugia para ela não me ver.
O quintal culminava com a casa, cheia de janelas e portas...
(continua...)

1 comentário:

  1. Olá Andy, venho pedir ajuda! Querem abater plátanos centenários em Colares com a desculpa esfarrapada de "estarem doentes" - é mentira! As Estradas de Portugal só querem mais dois ou três lugares de estacionamento com o apoio de meia dúzia de mentecaptos que se queixam de que "as árvores deixam cair folhas e sujam tudo". Ajude a fazer barulho e a impedir que matem estas árvores. Neste blog há mais pormenores:

    http://cidadaniacsc.blogspot.com/

    Por favor divulgue!

    Luz & Paz

    Ariadne

    ResponderEliminar