6.9.09

Janela


Desde sempre que as janelas têm um encanto especial.
Por uma razão ou por outra guardava sempre um bocadinho do dia para ficar à janela e como isso me descontraia...e não era para ver o vizinho passar ou saber que cor de sapatos calçava, era apenas olhar para tudo e nada.
Na minha casa de infância podia até avistar o mar, as casas perdidas no verde e ali me demorava nas cores, nas formas e no horizonte.
Quando deixei a Ilha e cheguei a Lisboa, na minha casa de adolescência (assim a chamo), apoderei-me da varanda com vista para o Palácio de Queluz e o seu imenso jardim, que me serenava a sensação de perda e os medos da mudança...era ali o meu refúgio.
Hoje com outras vistas e sem tempo para ficar à janela...adoro focar o enquadramento da janela de dentro de casa e ver as árvores da minha rua que se sentem conforme o tempo, umas vezes calmas, outras bravas, tristes ou brilhantes.
As janelas são pequenos quadros vivos ...

7 comentários:

  1. Olá Andy
    A imagem é linda!... :)
    Tb gosto imenso de olhar pela janela. Dá uma paz enorme!
    bjs

    ResponderEliminar
  2. A janela é um espaço de referência na vida do ser humano. Está ligado à relação com o sol, com o mundo exterior, com o reencontro com o mundo dos outros e, no limite, com o individual. Cantadas na Literatura e invocadas no maravilhoso (Carochinha, Branca de Neve, etc...), elas tornaram-se elementos incontornáveis nas construções humanas (desde o janelão palaciano, passando pela janela adornada com flores ou "namoradeiras", até ao postigo presidiário, ou mesmo à gateira de pisos inferiores).
    Mais importantes que as construções são, na verdade, os constructos psicossociológicos que lhes são inerentes: a necessidade de ver para lá de nós mesmos (olhar para o exterior), para cá dos outros (olhar interior), num movimento bifocal que apenas as janelas permitem. Nesse sentido, e metaforicamente, as janelas são cada vez menos de vidro e, cada vez mais, de pele, sangue e coração. Que jamais se fechem...

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  3. Nunca me senti muito atraída por Janelas...porque sempre vivi em Apartamento...e na verdade ,as janelas dos prédios...nem parecem janelas...!
    beijinho de janela!

    ResponderEliminar
  4. As Janelas do Meu Quarto

    Tenho quarenta janelas
    nas paredes do meu quarto,
    Sem vidros nem bambinelas
    posso ver através delas
    o mundo em que me reparto.

    Por uma entra a luz do Sol,
    por outra a luz do luar,
    por outra a luz das estrelas
    que andam no céu a rolar.

    Por esta entra a Via Láctea
    como um vapor de algodão,
    por aquela a luz dos homens,
    pela outra a escuridão.

    Pela maior entra o espanto,
    pela menor a certeza,
    pela da frente a beleza
    que inunda de canto a canto.

    Pela quadrada entra a esperança
    de quatro lados iguais,
    quatro arestas, quatro vértices,
    quatro pontos cardeais.

    Pela redonda entra o sonho,
    que as vigias são redondas,
    e o sonho afaga e embala,
    à semelhança das ondas.

    Por além entra a tristeza,
    por aquela entra a saudade,
    e o desejo, e a humildade,
    e o silêncio, e a surpresa,

    e o amor dos homens, e o tédio,
    e o medo, e a melancolia,
    e essa fome sem remédio
    a que se chama poesia,

    e a inocência, e a bondade,
    e a dor própria, e a dor alheia,
    e a paixão que se incendeia,
    e a viuvez, e a piedade,

    e o grande pássaro branco,
    e o grande pássaro negro
    que se olham obliquamente,
    arrepiados de medo,

    todos os risos e choros,
    todas as fomes e sedes,
    tudo alonga a sua sombra
    nas minhas quatro paredes.

    Oh janelas do meu quarto,
    que vos pudesse rasgar !
    Com tanta janela aberta
    falta-me a luz e o ar.

    António Gedeão

    ResponderEliminar
  5. Eu adorooo janelas...nossa tenho uma atração forte.


    te desejo um ótimo domingo.

    abraços

    Hugo

    ResponderEliminar
  6. "As janelas são pequenos quadros vivos ..." belíssima frase!

    ResponderEliminar
  7. Cuidado com as janelas. Se puder, dê uma passadinha no meu blog e leia o post que reescrevi entitulado "A moça e a vela" ( tem uma foto dessa impressa) kkkkk
    Beijo grande. Certamente voltarei.
    Saudações Florestais !

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...