3.8.09

Asas


Trago nas asas os ventos
Do norte e do sul
Trago o voar lânguido
Entre vales esquecidos
De um verde encantar
A memória das águas límpidas
Que esculpem a sua história
Entre pedras de um tempo secular
O voar sobre um rio elegante
Que airosamente me chama
E me faz perder no seu calmo estar
Trago asas de orvalho
De um céu cinzento que toldava
As tantas planícies de tão belas
Que apetecia ficar...

3 comentários:

  1. Gostei muito do texto e da fotos...belissimas!!
    Mas o cenário do bloguinho está 5*****

    beijinhos. e boas viagens!

    ResponderEliminar
  2. As asas de que falas (bem para lá do corpo) só as experimentam aqeles que voam com o coração!

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  3. A morte é a meta de uma vida...é o nosso ponto de chegada :D Nada de errado está nela!Encaro-a com uma certa amizade,também claro está porque não a vejo como um inutil fim...

    :)Obrigada pela visita

    ResponderEliminar

neblina

o rasto de fumo apagava-se na porta entreaberta e ficava o silêncio da noite e uma ou outra palavra por dizer. O cheiro do cigarro apagado e...