18.5.09

Princesa Desalento

Minh'alma é a Princesa Desalento,
Como um Poeta lhe chamou, um dia.
É magoada, e pálida, e sombria,
Como soluços trágicos do vento!

É frágil como o sonho dum momento;
Soturna como preces de agonia,
Vive do riso duma boca fria:
Minh'alma é a Princesa Desalento...

Altas horas da noite ela vagueia...
E ao luar suavíssimo, que anseia,
Põe-se a falar de tanta coisa morta!

O luar ouve minh'alma, ajoelhado,
E vai traçar, fantástico e gelado,
A sombra duma cruz à tua porta...

Florbela Espanca

2 comentários:

  1. Olá Andy eu gosto muito da poesia de Florbela Espanca.Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Florbela Espanca ... depois de Edith Piaf, escolheste mais uma mulher que viveu muito depressa. Uma curiosidade sobre esta grande escritora, nasceu, casou e suicidou-se no dia 8 de Dezembro em diferentes anos.
    Espero que os momentos em que incorporas a alma da Princesa Desalento sejam muito curtos. Quando quiseres, eu posso ser um luar Amigo! Dispõe ..

    ResponderEliminar