6.5.09

Noite




Pela janela fechada
O breu da noite caiu
Sobre a rua deixou ficar
O rasto do dia
Que ainda se sente pulsante
Nos corpos cansados
Nas almas perdidas.
Da janela
O vento da noite
Violento esbarra
Nas folhas das árvores
Que tranquilas agora se agitam
Na incerteza dos dias
No incerto amanhã...

1 comentário:

  1. Adorei a imagem ... adorei o poema ... faço uma vénia a ambos ... parabéns ... continua!

    ResponderEliminar